16/08/15 e o tsunami verde e amarelo (20/08 é dia de trabalhar)

A prazerosa e solene voz, aos gritos, do povo brasileiro nas ruas no último domingo (16) tinha um propósito: mostrar ao mundo que 93% dos cidadãos não são idiotas e prezam pela boa ordem e pela justiça social. Todos os estados brasileiros foram tomados por um tsunami verde e amarelo que subia como cheiro desagradável nas narinas dos defensores do governo da inflação, dos cegos partidários e, sem traves, no Planalto.

Eu gostaria de agradecer imensamente ao ex-presidente Lula porque, no passado, foi ele quem despertou no povo brasileiro a vontade de ir às ruas demonstrar a sua indignação sobre a covardia que o governo tem exercido sobre nós. Eu também gostaria de agradecer aos revolucionários pró-governo que, por esse tempo, logo após o Eduardo Cunha romper com o governo do PT, começaram a pedir a derrubada da presidência da Câmara que foi eleita democraticamente. Se não fossem vocês, eu não perceberia que não existe golpe, se há vontade. A diferença una entre o pedido da queda do presidente da Câmara e o da República é o quantitativo pedinte: 93% pede a saída da presidente da República e, possíveis 3% ou 2%, considerando que 1% não saiba responder, pede a saída do presidente da Câmara. Sou de letras, não sou bom com números, mas confesso que consegui fazer essa conta rapidinho.

O impulso que eu recebi para escrever este texto decorreu de uma notícia extremamente engraçada que eu li na segunda (17) no Facebook. A notícia se tratava de uma chamada da CUT – onde lê-se CUT, lê-se PT, só que com facões, pessoas armadas, segundo o próprio presidente desse troço que ninguém sabe o que é – convocando os 3% da população pró-governo para ir às ruas em favor da presidente Dilma na próxima quinta-feira (20). A piada mora aí. Entendeu? Se sim, pule para o próximo parágrafo, se não, eu vou explicar. O grito popular para informar que não estamos satisfeitos foi no domingo. Manifestação pacífica, não atrapalhou o trânsito e havia um grande fluxo de pessoas, porque domingo, geralmente, as pessoas não trabalham, ou largam mais cedo. Já a manifestação da CUT vai acontecer numa quinta-feira. Isso mesmo: QUINTA-FEIRA, dia de trabalhar, dia em que o trânsito precisa estar livre. A não ser que planejem manifestar-se na praça da Cinelândia, meia dúzia de pessoas não vai atrapalhar muito, na é?

Uma coisa que muito me preocupa é a oposição por oposição. Batizar o movimento social como #Carnacoxinha é, no mínimo, autodegradativo e se é carnacoxinha? É sim um carnacoxinha, sabe por quê? Porque não tem gente drogada, desrespeitando religiões alheias e não há “vadias” com os seios de fora. Se ser coxinha é o mesmo que ir atrás de seus direitos sociais e políticos, sim, eu sou coxinha. E a nossa saída às ruas visa o benefício de toda a população, todo o 100%. Não estamos impondo exclusividade como as minorias pedem legalização de aborto, drogas etc. Não estamos reivindicando 20 centavos, estamos reivindicando milhões. O Brasil está quebrado, por que os manifestantes pró-governo não percebem isso? O pior cego é aquele que prefere não enxergar o que está diante dos seus olhos.

 

Próxima anterior
Ainda sobre o vitimismo
Próxima postagem
Mar de Ratazanas em Nilópolis